Sign In

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE ITAQUAQUECETUBA


Dirigente: Marli Rodrigues Siqueira
Rua Jundiaí, 84 - Vila Monte Belo
CEP 08577-320 - Itaquaquecetuba - SP – Brasil
Email: deitq@educacao.sp.gov.br
Telefones: Clique em contatos
A+
A-

​​​

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROFESSOR COORDENADOR DO NÚCLEO PEDAGÓGICO


 

O Dirigente Regional de Ensino da Diretoria de Ensino – Região de Itaquaquecetuba torna públicos os critérios estabelecidos para seleção e designação de Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico desta Diretoria de Ensino.

Os processos de inscrição, seleção e designação de Professor Coordenador no Núcleo Pedagógico desta Diretoria de Ensino atenderão os dispositivos da Resolução SE nº 75 de 30-12-2014, e serão conduzidos em conformidade com o disposto no presente edital:

 

1 – Vagas

 

  1. 01 (uma) Vaga para Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico, na disciplina de Filosofia- Sociologia.

 

2 – Dos requisitos para o exercício da função

 

I - Ser docente titular de cargo ou ocupante de função atividade (estável, celetista ou categoria F), podendo se encontrar na condição de adido ou em readaptação, sendo que, no caso de docente readaptado, a designação somente poderá ocorrer após manifestação favorável da Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde da Secretaria de Gestão Pública – CAAS.

II - Contar com, no mínimo, 3 (três) anos de experiência no magistério público estadual (um  mil e noventa e cinco dias de efetivo exercício).

III - Ser portador de diploma de licenciatura plena.

IV - Encontrar-se em efetivo exercício.

 

a) O docente, classificado em unidade escolar da circunscrição da Diretoria de Ensino, terá prioridade na indicação para designação, no posto de trabalho de Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico da Diretoria de Ensino - PCNP.

 

b) Em caso de indicação de docente não classificado na forma estabelecida para as designações, a que se refere o item anterior, deverá ser exigida a apresentação de anuência expressa do superior imediato do docente na unidade escolar de origem, previamente ao ato de designação.

 

c) A designação para atuar como Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico somente poderá ser concretizada quando houver substituto para assumir as aulas da carga horária do docente a ser designado.

 

 

3 – Carga Horária, conforme art. 10 da Resolução SE 75, de 30-12-2014.

 

A carga horária a ser cumprida pelo docente para o exercício da função gratificada de PCNP será de 40 (quarenta) horas semanais, distribuídas por todos os dias da semana.

 

4 – Das atribuições dos professores coordenadores do Núcleo  Pedagógico,  conforme art. 73 do  Decreto  57.141, de  18-07-2011  e  artigos  5º  e 6º da  Resolução  SE  75, de  30-12- 2014.

 

I - atuar como gestor pedagógico, com competência para planejar, acompanhar e avaliar os processos de ensinar e aprender, bem como o desempenho de professores e alunos;

II - orientar o trabalho dos demais docentes, nas reuniões pedagógicas e no horário de trabalho coletivo, de modo a apoiar e subsidiar as atividades em sala de aula, observadas as sequências didáticas de cada ano, curso e ciclo;

III - ter como prioridade o planejamento e a organização dos materiais didáticos, impressos ou em DVDs, e dos recursos tecnológicos, disponibilizados na escola;

IV – coordenar as atividades necessárias à organização, ao planejamento, ao acompanhamento, à avaliação e à análise dos resultados dos estudos de reforço e de recuperação;

V - decidir, juntamente com a equipe gestora e com os docentes das classes e/ou das disciplinas, a conveniência e oportunidade de se promoverem intervenções imediatas na aprendizagem, a fim de sanar as dificuldades dos alunos, mediante a aplicação de mecanismos de apoio escolar, como a inserção de professor auxiliar, em tempo real das respectivas aulas, e a formação de classes de recuperação contínua e/ou intensiva;

VI - relacionar-se com os demais profissionais da escola de forma cordial, colaborativa e solícita, apresentando dinamismo e espírito de liderança;

VII - trabalhar em equipe como parceiro;

VIII - orientar os professores quanto às concepções que subsidiam práticas de gestão democrática e participativa, bem como as disposições curriculares, pertinentes às áreas e disciplinas que compõem o currículo dos diferentes níveis e modalidades de ensino;

IX - coordenar a elaboração, o desenvolvimento, o acompanhamento e a avaliação da proposta pedagógica, juntamente com os professores e demais gestores da unidade escolar, em consonância com os princípios de uma gestão democrática participativa e das disposições curriculares, bem como dos objetivos e metas a serem atingidos;

X - tornar as ações de coordenação pedagógica um espaço dialógico e colaborativo de práticas gestoras e docentes, que assegurem:

a) a participação proativa de todos os professores, nas horas de trabalho pedagógico coletivo, promovendo situações de orientação sobre práticas docentes de acompanhamento e avaliação das propostas de trabalho programadas;

b) a vivência de situações de ensino, de aprendizagem e de avaliação ajustadas aos conteúdos e às necessidades, bem como às práticas metodológicas utilizadas pelos professores;

c) a efetiva utilização de materiais didáticos e de recursos tecnológicos, previamente selecionados e organizados, com plena adequação às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos e a suas necessidades individuais;

d) as abordagens multidisciplinares, por meio de metodologia de projeto e/ou de temáticas transversais significativas para os alunos;

e) a divulgação e o intercâmbio de práticas docentes bem sucedidas, em especial as que façam uso de recursos tecnológicos e pedagógicos disponibilizados na escola;

f) a análise de índices e indicadores externos de avaliação de sistema e desempenho da escola, para tomada de decisões em         relação à proposta pedagógica  e a projetos desenvolvidos no âmbito escolar;

g) a análise de indicadores internos de frequência e de aprendizagem dos alunos, tanto da avaliação em processo externo, quanto das avaliações realizadas pelos respectivos docentes, de forma a promover ajustes contínuos das ações de apoio necessárias à aprendizagem;

h) a obtenção de bons resultados e o progressivo êxito do processo de ensino e aprendizagem na unidade escolar.

XI – implementar ações de apoio pedagógico e educacional que orientem os professores na condução de procedimentos relativos a organização e funcionamento do currículo nas modalidades de ensino;

XII - orientar os professores:

a) na implementação do currículo;

b) na utilização de materiais didáticos e paradidáticos;

XIII - avaliar a execução do currículo e propor os ajustes necessários;

XIV - acompanhar e orientar os professores em sala de aula, quando necessário, para garantir a implementação do currículo;

XV - implementar  e  acompanhar  programas  e  projetos  educacionais  da Secretaria relativos  à área de atuação que lhes é própria;

XVI - identificar  necessidades  e  propor  ações  de  formação  continuada  de  professores  e  de professores coordenadores no âmbito da área de atuação que lhes é própria;

XVII - participar da implementação de programas de formação continuada, em articulação com a Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores;

XVIII - acompanhar e apoiar reuniões pedagógicas realizadas nas escolas;

XIX - promover  encontros,  oficinas  de  trabalho,  grupos  de  estudos  e  outras  atividades  para divulgar e capacitar professores na utilização de materiais pedagógicos em cada disciplina;

XX - participar do processo de elaboração do plano de trabalho da Diretoria de Ensino;

XXI -  elaborar o plano de trabalho do  Núcleo para   melhoria   da   atuação   docente e do desempenho dos alunos;

XXII  -  orientar,  em  articulação  com  o  Centro  de  Atendimento  Especializado,  do  Departamento de  Desenvolvimento  Curricular  e  de  Gestão  da  Educação  Básica,  as  atividades  de  educação especial e inclusão educacional no âmbito da área de atuação que lhes é própria;

XXIII  -  acompanhar  o  trabalho  dos  professores  em  suas  disciplinas  e  as  metodologias  de ensino utilizadas em sala de aula para avaliar e propor ações de melhoria de desempenho em cada disciplina;

XXIV - organizar o acervo de materiais e equipamentos didático-pedagógicos;

XXV  -  articular  com  o  Centro  de  Biblioteca  e  Documentação,  do  Centro  de  Referência  em Educação  “Mário  Covas”  -  CRE,  e  com  as  escolas  a  implantação  e  supervisão  das  salas  de leitura;

XXVI   -   analisar   os   resultados   de   avaliações   internas   e   externas   e   propor   medidas   para melhoria  dos  indicadores  da  educa-  ção  básica,  no  âmbito  da  área  de  atuação  que  lhes  é própria.

XXVII – O PCNP tem o compromisso de:

a) identificar e valorizar os saberes do Professor Coordenador - PC da unidade escolar;

b) fortalecer o papel do PC como formador de professores;

c) oferecer subsídios teóricos e operacionais de sustentação da prática do PC;

d) organizar e promover Orientações Técnicas visando a esclarecer e orientar os PCs quanto à observância:

d.1 - dos princípios que fundamentam o currículo e os conceitos de competências e habilidades;

d.2 - dos procedimentos que otimizam o desenvolvimento das habilidades e competências avaliadas pelo SARESP (observar, realizar e compreender);

d.3 - das concepções de avaliação que norteiam o currículo e a aprendizagem no processo - AAP e SARESP, articuladas com as avaliações internas das escolas;

XXVIII - proporcionar aos PCs a reflexão sobre a metodologia da observação de sala e os princípios que a efetivam na prática;

XXIX - promover a construção de instrumentos colaborativos e de indicadores imprescindíveis ao planejamento, à efetivação da observação, ao feedback e à avaliação;

acompanhar o processo de ensino e aprendizagem nas unidades escolares, bem como o desempenho de gestores, professores e alunos;

XXX - verificar os registros de observação realizados pelo PC da unidade escolar sobre a Gestão da Sala de Aula, para análise e monitoramento de ações de formação;

XXXI - realizar ações de formação para os professores visando à implementação do currículo e colaborando na construção e no desenvolvimento de situações de aprendizagem;

XXXII - analisar as metas definidas na proposta pedagógica das escolas e os resultados educacionais atingidos, a fim de indicar estratégias que visem à superação das fragilidades detectadas na verificação:

a) - dos resultados atingidos, identificando quais as habilidades a serem priorizadas;

b) - dos Planos de Ensino/Aula dos professores, identificando a relação existente entre as habilidades/competências  pretendidas  e  os  conteúdos  relacionados  nos  Planos  de Ensino/Aula;

XXXIII - promover orientações técnicas com a finalidade precípua de divulgar e orientar o planejamento, a organização e a correta utilização de materiais didáticos, impressos ou em DVDs, e recursos tecnológicos disponibilizados nas escolas;

XXXIV - acompanhar os processos formativos desenvolvidos pelo PC da unidade escolar, a fim de:

a) verificar o Plano de Formação Continuada do PC, bem como os registros das reuniões nos horários de trabalho pedagógico coletivo, para identificação das formas de implementação do currículo;

b) verificar o cumprimento das ações de formação contempladas no Plano de Formação Continuada do PC, em sua participação nas reuniões nos horários de trabalho pedagógico coletivo;

c) realizar intervenções pedagógicas, oferecendo contribuições teóricas e/ou metodológicas que visem à construção do espaço dialógico de formação;

d) analisar os materiais didáticos e paradidáticos, identificando sua relação e pertinência com o currículo e seu efetivo uso;

XXXV - de sua atuação, a fim de atender com eficiência e eficácia às demandas peculiares à área/disciplina pela qual é responsável, dentre as seguintes áreas/disciplinas do Núcleo Pedagógico:

a) Linguagens, abrangente às disciplinas de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Arte e Educação Física;

b) Matemática;

c) Ciências da Natureza, abrangente às disciplinas de Ciências Físicas e Biológicas, Física, Química e Biologia;

d) Ciências Humanas, abrangente às disciplinas de História, Geografia, Filosofia e Sociologia;

e) Educação Especial;

f) Tecnologia Educacional, observadas as demais atribuições, definidas por detalhamento na Resolução SE 59, de 2 de junho de 2012; e

g) Programas e Projetos da Pasta.

 

5 – Do perfil profissional

 

Do candidato é esperado o seguinte perfil profissional:

a) Ser capaz de desenvolver ações de formação continuada de  professores e de acompanhamento do processo pedagógico na escola.

b) Possuir e ser capaz de desenvolver, cotidianamente, competência relacional e atuar para a consecução dos princípios da gestão democrática.

c) Atuar  na  perspectiva  da  educação  inclusiva  e  na  construção  de  um  espaço  coletivo  de discussão da função social da escola.

d)  Possuir  habilidade  gerencial  e  técnico-pedagógica  e  ser  capaz  de  desenvolver  ações  de implantação e desenvolvimento do Currículo Oficial junto às equipes escolares,  especialmente junto aos professores.

e)   Demonstrar   interesse   para   o   aprendizado   e   o   ensino   e   compreender  os processos administrativos e financeiros como meios para a consecução dos objetivos pedagógicos.

f) Possuir habilidades inerentes para o bom  atendimento ao público escolar, tanto do ponto de vista técnico quanto relacional.

g)  Possuir   disponibilidade   para  atender   a  convocação  dos   órgãos   da  Pasta,  inclusive  em municípios diversos da sede de exercício.

h) Possuir habilidade  no  uso  didático-pedagógico  das  Tecnologias  Digitais  de  Informação  e Comunicação.

i) Disponibilidade para atuar nos períodos em que a escola funciona.

 

6 – Dos documentos necessários

 

No ato de inscrição o candidato deverá preencher a ficha disponível na Diretoria de Ensino com a indicação de:

 

a) Documento oficial com foto (RG civil, CNH ou Passaporte Nacional) e CPF.

b) Currículo

c) Declaração de contagem de tempo de serviço no magistério público estadual, que comprove 1.095 (um mil e noventa e cinco dias) de efetivo exercício.

d) Cópia do Holerite do mês corrente da abertura deste edital.

e) Cursos promovidos pela SEE/SP, em qualquer de suas instâncias, especialmente aqueles que  se  referirem  diretamente  à  atuação  do  professor  coordenador  de  Núcleo  Pedagógico,  se houver.

f) Cursos   de   atualização,   especialização   ou   pós-graduação   que   considere   pertinentes   ao exercício da função de professor coordenador, nos termos das atribuições da função e do perfil profissional esperado, se houver.

 

7 – Da indicação para entrevista

 

a)  Para  seleção  dos  candidatos,  o  Dirigente  Regional,  poderá  designar  Comissão  constituída por até dois Supervisores e/ou Diretor do Núcleo Pedagógico.

b) A entrevista será agendada  após a  indicação pelo  Dirigente dos  candidatos  selecionados  e versará   sobre   as   competências   relacionadas   às   atribuições   da   função   e   sobre   o   perfil profissional do candidato.

c)  No  ato  da  entrevista,  os  candidatos  selecionados  deverão  comprovar  os  cursos  constantes na ficha de inscrição.

d)   Para   as   entrevistas,   além   do   Dirigente   Regional,   poderá   ocorrer   a   participação   da Supervisão de Ensino e/ou Diretor do Núcleo Pedagógico.

 

8 – Dos resultados:

 

a) Após realização das entrevistas, o  Dirigente, apoiado pela  Comissão designada, se houver, poderá indicar o docente que venha a ser selecionado para ocupar o posto de trabalho levando em conta o resultado da entrevista, o perfil profissional e o percurso acadêmico comprovado na entrega de documentos.

 

9 – Etapas

 

a) Inscrição e entrega de documentos conforme item 06: de 09/05/2016 a 13/05/2016 das 08h00 às 16h00   no Núcleo Pedagógico da   Diretoria   de   Ensino de Itaquaquecetuba   -   localizada   à   Rua Jundiaí   nº   84   –   Monte   Belo   – Itaquaquecetuba, telefone (11) 4732-9516.

b)   A   data   e   horário   das   entrevistas   serão   informados   aos   candidatos   selecionados,   após análise dos documentos.

c) Indicação e designação do docente.

 

10 – Disposições finais

 

a) As etapas deste processo de seleção não poderão ser feitas por procuração.

b) Situações omissas serão decididas pelo Dirigente de Ensino ouvida a  Comissão, se necessário, à luz da Resolução SE 75/14 e demais diplomas legais aplicáveis.

 

Itaquaquecetuba, 09 de maio de 2016.

 

Marli Rodrigues Siqueira

Dirigente Regional de Ensino​